terça-feira, 8 de abril de 2008

poeta revolto

Esgarçado em sustenido o som da última poesia que verti da minha alma vadia da minha cabeça vazia na última manhã fria com rima vértice corpo débil senso estéril mãe que embala o berço do perdido poeta torto morto grosso sem viés de poeta composto avassalado avacalhado pela ignorância forte protuberância de engodo roto rés do chão sem quinhão sábio apenas manejo otário repetitivo abusivo chato reprimido comprimido pela banalidade brutal sem força especial


by cláudio bettega, em tempos idos