sábado, 22 de dezembro de 2007

JINGLE BELLS

O natal aqui em casa ficou mais alegre. Tenho uma sobrinha-afilhada de dois anos, a Laura. Ela ainda tem medo de papai-noel, não fora isso eu me vestiria de velhinho. Imagine ela vendo o tio de Santa Claus, ia matar na hora quem estava em baixo das roupas, esperta como é. Pois é, minha responsabilidade aumentou, sou “padinho” de um docinho. E o natal vai ser legal, veja só. E o ano que vem também, e vários anos a seguir. Vamos então seguir a vida, imaginando sempre que ela pode ser mais alegre. De repente aparece alguma coisa nova, e ficamos mais felizes. Saúde, paz e prosperidade são de praxe desejar. Desejo então. E desejo muito mais. Pense na meia-noite do dia 24 pro 25 no nascimento do revolucionário que deu a data para a exploração comercial e religiosa. Pense nele como um cara legal, não apenas como um mártir pagador de pecados. Pense no espiritualismo, se você acredita em Kardec como eu. Se não, pense no que você quiser pensar, mas pense positivo. Pense puro. Pense autêntico. E torça pra que tudo seja sempre lindo. Pra você, pra todo mundo, até pro George W. Bush, tadinho, ele precisa. Feliz natal. Maravilhoso ano novo. Seu amigo Cláudio Bettega está sempre aqui. Beijos.