terça-feira, 26 de maio de 2009

rabisquei idéias do poema abaixo semana passada. hoje formatei. e agora há pouco visitei o
polaco da barreirinha, e há uma letra do alexandre frança que fala sobre curitiba, suicidios... coincidência da chegada do frio?


minha gripe não é espanhola
não é suína
é suicida
minha gripe é urbana modelo
sonora
minha gripe é curitiba
cheia de movimento
por fora bela viola
por dentro pão bolorento
gélida cinza-escura imatura
desdenha dos poemas que lhe faço
me joga pra longe do meu passo
fere do coração o meu compasso
estica puxa arrebenta meu laço
trucida tritura minha maneira
de injetar seu sumo na veia
desliga meus neurônios na próxima esquina
buzina na periferia a chacina
esgarça a pútrida doutrina
vomitando em algum banho de piscina
a bebida dos bares da rotina
filha da puta desgraçada
te sinto tão deslocada
perdida esquecida mero arrabalde
fora dos eixos de tua voz sumida
poço de fel
toda batel
burra babel
que despreza este poema
no papel
conjugas o verbo do mel
mas chafurdas no esgoto sem céu
priorizas a aparência do véu
e destróis a colheita do amor
que te dedico cheio de torpor
mesmo assim não te esqueço
não sei se me mereces
ou se eu desolado te mereço
mas a ti sempre dirijo minhas preces
suportando tua autofagia
tentando alegrar tua pálida alegria
inventando inventar alguma poesia
escarrando no largo nossa azia
perseguindo na vida uma alforria

em 22/26.05.2009, by cláudio bettega