terça-feira, 18 de setembro de 2007

Poemas do Aaron

Apresento aqui dois poemas de meu amigo e colega de teatro Aaron Ramathan, que além de escrever poesia, compõe músicas ao violão e atua muito bem. Merda, brother!!!!


O Vinho

De um simples gole de vinho
Abuso o copo
não tenho pena deste litro que se esvazia
e nem raiva por me deixar só
Sou simples no olhar
Sinto seu cheiro
E vou logo cantar
Desta fruta que mancha a boca
Resta a mente
Espandindo aquilo que chamo
Pensamento


Insenso

Com um perfume suave
vejo a beleza na fumaça
que hora sublime e imensa
ora retilínia e escassa
como lenços que se dobram leves
um balé de magia sopra
e ao céu, seu fluxo segue calmo
imagino a paz e a perfeita harmonia
a cinza cai como despenca um côco
vai se acabando ao som de harpas
e cada vez mais mudo
volto escutar as freiadas