terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Que a Bicicleta Patafísica
com plena força nos pedais
para longe leve meus ais
e assim me deixe bem comigo.

Que a Bicicleta Patafísica
levando embora meus fantasmas
torne pelo mesmo caminho
trazendo-me a figura amada.

Que a Bicicleta Patafísica
correndo por dentro de um palco
em meio às gentes do bulício
agregue valor à nossa arte.

Ah, a Bicicleta Patafísica
costura verdades no teatro
e vem se esconder na poesia
após de roubar da velha o arco.


Navarro, o Dua. (http://duanavarro.zip.net/) - 10.12.2009




Patafísica a Bicicleta
que carrega meus sonhos teatrais
e não monta mais rápido
nem com duas rodas a mais.

Patafísica a amizade
que me une ao irmão Navarro
e a todo o elenco buliçoso
quando no palco controlamos o pigarro.

Patafísica a pipoca
que, no meio de sua massaroca,
esconde um filhote de sonhos
pra estancar sonhos medonhos.

Patafísica, enfim, nossa vida,
quando subimos no palco
como um coro de bêbados felizes
e fazemos do teatro nossa arte e lida.


cláudio bettega, 10.12.2009