quarta-feira, 1 de abril de 2009

dou uma porrada
no tempo
me perco na madrugada
cheia de vento
não quero mais saber
das regras do
bem viver
quando a manhã
chegar
estarei ainda acordado
sem estar
quero uma cerveja
um beijo
um amor a me
iluminar
destituo qualquer
esquema podre
que me governe
quero a poesia
minh’alma ferve
jogo no lixo
as cascas do solfejo
prolixo
solto agora um
direto
pra derrubar qualquer
pensamento
metido a correto


by cláudio bettega, em 17.07.2005