quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Poema da amiga Lívia Moura




CRÔNICA POÉTICA

Sabe quando dói no peito e
não tem jeito de suportar?!
É essa a falta que você me faz.
Pois fiquemos nos nossos
encontros de alma, para que,
quando nos vermos seja
completa a dualidade...
E toda essa saudade que
aflige, só ela permite
o poeta falar.
Eu quero corpo e alma.
No corpo, a paixão impera.
Na alma o amor vive...
Mesmo que indefinido,
já é forte...
É tudo o que eu sinto,
mas o que ainda
não tem nome.